Adolescentes cristãos são raptados em cultos para servirem como soldados na Eritreia


Cristãos na Eritréia
Cristãos na Eritréia

Há dois anos, adolescentes cristãos têm sido alvos de raptos durante cultos na Eritreia por autoridades, para servirem como soldados.

De acordo com a UCA News, jovens de 14 a 16 anos são levados à força pelas autoridades e obrigados a lutar na linha de frente da guerra no estado de Tigray, no norte da Etiópia.

No último domingo (6), militares interromperam a missa da paróquia Medhanie Alem, na vila de Akrur, e sequestraram todos os meninos do coral. Os oficiais cercaram a igreja para que ninguém escapasse.

“Esses jovens acabam em campos de treinamento militar e depois são enviados como forragem de abate nas guerras em curso na região, particularmente na vizinha Etiópia”, relatou Zerai, um padre de origem eritreia que trabalha com imigrantes, à UCA News.

O líder alertou que se os raptos continuarem, os adolescentes irão deixar de ir à igreja, com medo do recrutamento forçado.

“O direito sagrado de todo crente de ir à igreja para orar sem ser perseguido pelos militares ou policiais em seu país é um direito fundamental de todo ser humano”, ressaltou Zerai.

Há 20 anos, o governo ditatorial do presidente da Eritreia, Isaias Afwerki, implantou um programa de serviço obrigatório para todos os cidadãos de 17 a 55 anos.

Segundo Human Rights Watch, muitos eritreus passam a vida toda no serviço civil ou militar.

O recrutamento forçado levou muitos jovens a fugirem do país, se arriscando na perigosa travessia pelo deserto e pelo Mar Mediterrâneo para chegar à Europa.

O governo tem ignorado os apelos da comunidade internacional para respeitar os direitos humanos da população.

“Diariamente, as pessoas continuam fugindo do recrutamento forçado do governo e fazem essas viagens pelo deserto. O governo não se importa. Não tem nada a perder”, denunciou uma fonte da igreja eritreia, que não foi identificada por razões de segurança.

Eritreia: Coreia do Norte da África

O país africano que é conhecido por seu histórico de desrespeito aos direitos humanos e continua sendo um dos piores lugares do mundo para os seguidores de Jesus, ocupando o 6° lugar na Lista da Perseguição 2022 da Portas Abertas.

Sob o fogo cruzado do governo e as autoridades locais, é possível observar que o número de cristãos presos injustamente aumentou em mais de 30% em relação ao ano passado.

Há mais de 1.000 cristãos presos no país sem nenhuma acusação formal. Há 20 anos, o governo da Eritreia reconheceu apenas quatro religiões no país: o islã e as igrejas ortodoxa, católica e luterana.

Os que não fazem parte desses grupos estão em risco de perseguição severa nas mãos do Estado.

Além disso, o governo proibiu todas as igrejas que não haviam solicitado registro em 1997, e aquelas que se candidataram depois nunca receberam resposta às suas solicitações.

Fonte: Guia-me com informações de UCA News



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais