Bolsonaro encontra Edir Macedo em inauguração de templo da Igreja Universal no DF


Fachada do novo templo da Igreja Universal em Brasília (Foto: DEMETRIO KOCH/FOLHA UNIVERSAL)
Fachada do novo templo da Igreja Universal em Brasília (Foto: DEMETRIO KOCH/FOLHA UNIVERSAL)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou neste domingo, dia 31, da inauguração de um novo templo da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) em Taguatinga, região administrativa do Distrito Federal. A abertura foi marcada por um culto comandado pelo bispo Edir Macedo, líder da Iurd. O Republicanos, partido fundado por bispos da Universal, formalizou apoio à reeleição do presidente no sábado.

Em 2018, o próprio Edir Macedo declarou voto em Bolsonaro. Desde o ano passado, a Igreja Universal tem intensificado o discurso contra a esquerda, apesar de algumas críticas de seus representantes ao governo Bolsonaro, como na condução diplomática da crise sobre o comando da igreja em Angola, tomado por pastores locais.

No culto deste domingo, o líder religioso evangélico evitou entrar em assuntos políticos. Bolsonaro não discursou. Após o fim da cerimônia religiosa, o presidente permaneceu por cerca de duas horas no templo, em espaço reservado, e deixou o local sem dar entrevistas. O encontro ocorreu a duas semanas de a campanha começar.

Além de Bolsonaro, também participaram da inauguração a primeira-dama Michelle Bolsonaro, que é evangélica, o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, o presidente nacional do Republicanos, deputado Marcos Pereira (SP), a pastora batista Damares Alves, ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, filiada ao partido, e o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), candidato à reeleição com apoio do Republicanos.

O presidente do Republicanos, deputado federal Marcos Pereira, afirmou que a grandiosidade do templo significa o tamanho da necessidade que a Universal tem de poder ajudar as pessoas. “Nós, da Igreja Universal, temos um trabalho focado em ganhar almas e também, obviamente, ajudar as pessoas de forma social. E o tamanho é para justamente poder acolher o maior número de pessoas possível. Nesta noite, ficou isso demonstrado. E tenho certeza que se demonstrará também ao longo da história desse novo templo que vai ter, com certeza, muitas almas ganhas aqui”, disse.

Para a ex-ministra Damares Alves, Brasília ganha mais um ponto turístico. “Já vejo pessoas do Brasil inteiro vindo aqui para conhecer e para ser abençoadas. A gente já sente a presença de Deus quando passa na porta. A Igreja Universal tem a marca da transformação. Vem para abençoar o Distrito Federal”, afirmou.

A deputada federal Rosângela Gomes (Republicanos-RJ) contou os ensinamentos aprendidos na igreja. “Na Universal, aprendi duas coisas: 50% da minha vida é Deus e 50% sou eu. Tudo é possível para aquele que crê. Nessa fé, Deus vai levando vida àquele que crê”, disse.

O governador do Distrito Federal destacou que o Solo Sagrado é importante, não apenas por sua grandiosidade, mas pelo carinho em receber a população da capital federal.

“Nós estamos muito felizes de ver isso acontecer na nossa cidade, no Distrito Federal, e tenho convicção de que se tornará um lugar de peregrinação, onde as famílias vão vir aqui e contemplar um pouco daquilo que Deus tem a oferecer”, afirmou Ibaneis.

O Bispo Eduardo Bravo, presente na cerimônia de inauguração, afirmou que o Solo Sagrado foi construído no coração de Brasília.

“Entendemos que aqui é o poder Legislativo, Executivo e Judiciário. É muito importante esse local, grandioso dessa forma, porque daqui serão feitas as orações para todo o Brasil. Então, imagine uma pessoa chegando aqui, por mais simples que seja, orando por ela, pela família dela e por todo o país ao qual ela pertence. Um valor espiritual muito grande. Claro, o resgate da alma, dos valores do indivíduo”, disse.

“Muitas pessoas vão chegar aqui desesperadas, aflitas, depressivas, angustiadas, vão encontrar aqui como a última porta a bater. E essas pessoas serão restauradas. Já estão sendo, a partir desses cultos de inauguração que estão sendo realizados”, completou.

Bolsonaro e os evangélicos

O presidente tem nos evangélicos um de seus principais grupos de apoio na sociedade. Ele liderou os votos entre os protestantes em 2018. As intenções de voto no segmento superam a média do presidente e registram crescimento nas últimas pesquisas registradas.

A Igreja Universal é considerada no meio religioso uma das potências neopentecostais, por ter sucesso eleitoral e uma estrutura centralizada de comando. O Republicanos cresce a cada eleição na Câmara e tem atualmente uma bancada de 43 deputados, nem todos evangélicos.

Por influência dos religiosos, Bolsonaro indicou o advogado presbiteriano André Mendonça para ser ministro “terrivelmente evangélico” do Supremo Tribunal Federal (STF). Bolsonaro promete repetir o critério de escolha se for eleito para um novo mandato.

Em janeiro deste ano, a Universal disse, por meio de um texto publicado em seu site, que é incompatível ser cristão e votar em candidatos de esquerda. De acordo com o artigo, que não é assinado, “esquerdistas se travestem de defensores do povo”.

O fundador da Universal já participou como convidado de honra em 2019 do primeiro desfile do 7 de setembro da gestão de Bolsonaro na Presidência. Além da Universal, Macedo também tem controle da Record TV, considerada por aliados e auxiliares do presidente uma emissora menos crítica ao governo.

Apesar dos sinais de reedição do apoio ao presidente, Macedo já se aliou no passado a governos do PT e políticos ligados à Universal compuseram os governos Luiz Inácio Lula da Silva, candidato a retornar ao Palácio do Planalto, e Dilma Rousseff. Um deles, o bispo Marcelo Crivella, ex-prefeito do Rio, ex-ministro da Pesca e sobrinho de Macedo, manteve conversas com outros pré-candidatos ao longo deste ano. No PT, há quem espere um alinhamento imediato da Universal caso Lula vença a eleição.

Por outro lado, o Republicanos abrigou e lançou o ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas ao governo de São Paulo. Ele é um dos principais candidatos do bolsonarismo no País. O presidente fez questão de participar da convenção que oficializou Tarcísio como candidato a governador e confirmou a aliança com o Republicanos no plano nacional.

Embora seja aliado de Bolsonaro, Marcos Pereira não tem participado das reuniões no comitê de campanha do presidente, em Brasília, e faltou à convenção nacional no Maracanãzinho, no Rio. O dirigente do Republicanos minimizou a ausência. “Não fui chamado e se fosse acho que não iria porque sou o único que disputará eleição”, disse Pereira, que busca renovar o mandato de deputado federal.

Fonte: R7 e Portal Terra



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais