Casal cristão escapa da morte no Paquistão e encontra refúgio na Europa


Shafqat Emmanuel e sua esposa Shagufta Kausa. Foto: Reprodução / ADF International.
Shafqat Emmanuel e sua esposa Shagufta Kausa. Foto: Reprodução / ADF International.

Antes de encontrar refúgio na Europa, uma mulher cristã, e seu marido, que sofre de paralisia, estavam no corredor da morte no Paquistão, acusados de blasfêmia. Dessa forma, eles dão uma visão pessoal sobre o livramento, antes de enfrentar o possível enforcamento.

“Embora sintamos falta do nosso país, estamos felizes por finalmente estar em um lugar seguro”, disse Shafqat Emmanuel em entrevista.

Com sede na Áustria, o movimento ADF International, ajudou Emmanuel e a esposa, Shagufta Kausar, a escaparem do Paquistão em meio ameaças de morte, em agosto do ano passado. 

Crime de blasfêmia

“Eu vi a polícia batendo no meu pai. Ele está paralisado da cintura para baixo, então não sentiu dor nas pernas, mas eles também bateram na cara dele e bateram nele com coronhadas nas costas. Eles o forçaram a dizer que ele havia cometido blasfêmia”, disse o filho do casal, Zahmat Akhtar, refletindo sobre o momento da prisão de seus pais em junho de 2013, em entrevista parte de um documentário divulgado pela ADF International.

O casal católico foi acusado por um imã local de cometer blasfêmia ao enviar-lhe uma mensagem de texto, que segundo a autoridade religiosa, foi ofensiva.

Maulvi Mohammed Hussain, líder de uma mesquita local, afirmou que Emmanuel usou o celular de sua esposa para enviar uma mensagem de texto anti-islâmica. Mais tarde, ele afirmou que outras mensagens se seguiram.

Emmanuel era o vigia de uma escola na área de Gojra, no distrito de Toba Tek Singh, na província de Punjab, no Paquistão, no momento da prisão do casal.

O clérigo muçulmano teria mostrado a mensagem de texto a dois outros imãs antes de abordar seu advogado para procedimentos legais. Ele e seu advogado alegaram mais tarde que ambos receberam mensagens blasfemas subsequentes.

Emmanuel foi torturado para fazer uma confissão falsa. A polícia o espancou e ameaçou despir sua esposa e fazê-la atravessar a cidade. Os filhos do casal presenciaram e choraram. “Isso partiu meu coração”, disse Emmanuel.

“Na hora da minha prisão, havia muitos policiais. Eles me jogaram no chão e me espancaram muito. Depois me levaram para um quarto e me enforcaram de cabeça para baixo”, acrescentou Emmanuel, descrevendo a tortura e a humilhação como “apocalipse” para sua família.

Pena de morte

Em 2014, um tribunal de sessão condenou o casal à morte por enforcamento sob as leis de blasfêmia do Paquistão. Logo depois, quando o casal foi absolvido, em junho do ano passado, eles enfrentaram ameaças de morte por extremistas.

Os cristãos são frequentemente alvos das leis de blasfêmia do Paquistão, destinadas a proteger as sensibilidades islâmicas, e de radicais que praticam violência e mataram dezenas de cristãos nos últimos anos.

“Estamos muito satisfeitos que Shagufta e Shafqat foram, finalmente, liberados e estão em segurança”, disse Tehmina Arora, diretora de Advocacy, Ásia da ADF International.

“Infelizmente, o caso deles não é um incidente isolado, mas testemunha a situação que muitos cristãos e outras minorias religiosas vivem no Paquistão hoje. Embora o direito à liberdade religiosa seja protegido pela constituição paquistanesa, muitos enfrentam severa perseguição e negação de seus direitos fundamentais. à liberdade de expressão e reunião”, completou Arora.

Fonte: Comunhão com informações de The Christian Post.



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais