Comissão da Liberdade Religiosa dos EUA preocupada com ‘repressão’ religiosa na Nicarágua


Bandeira da Nicarágua
Bandeira da Nicarágua

A Comissão da Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos (USCIRF) revelou estar preocupada com a “repressão” do governo de Daniel Ortega contra a Igreja Católica na Nicarágua, com a expulsão ou prisão de autoridades eclesiásticas.

“O regime de Ortega mostra um absoluto desdém pelas organizações religiosas”, afirmou Mario Diaz-Balart, congressista republicano durante uma audiência virtual organizada pela USCIRF, entidade bipartidária independente criada pelo Congresso dos Estados Unidos para monitorar, analisar e relatar ameaças à liberdade religiosa no exterior.

O governo de Daniel Ortega, só em 2022, colocou o bispo Rolando Álvarez em prisão domiciliar, deteve padres e seminaristas e expulsou o núncio Waldemar Sommertag.

“A situação atual na Nicarágua é crítica e continuamos a usar todas as ferramentas diplomáticas e econômicas à nossa disposição para responsabilizá-los pelos abusos cometidos”, disse Patrick Ventrell, diretor do escritório de assuntos centro-americanos no Departamento de Estado.

Manuel Orozco, diretor do Programa de Migração, Remessas e Desenvolvimento do Diálogo Interamericano, lembrou que a hostilidade de Ortega com a Igreja Católica não é novidade.

“O que mudou hoje é a obsessão pelo poder”, estima. Há mais de 200 presos políticos sob “falsas acusações” e quase meio milhão de pessoas emigraram nos últimos dois anos, acrescenta.

Em setembro, o ditador Daniel Ortega, atacou a Igreja Católica e as suas organizações no país durante um pronunciamento à polícia nacional do país.

“Quem elege os padres? Quem elege os cardeais? Quem elege o papa? É uma ditadura e uma tirania perfeitas”, disse aos policiais durante sua fala.

Para Christopher Ljungquist, conselheiro para a América Latina no Escritório de Justiça e Paz Internacional da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, “a intenção por trás desses ataques é clara”.

“O regime pretende aterrorizar a Igreja, que é hoje a última instituição independente da sociedade civil. Silenciá-la por meio da violência, do terror e do assédio institucional”, declarou.

Para enfrentar a “repressão”, os participantes propõem a aplicação integral da Lei RENACER, que prevê o aumento de sanções, fiscaliza empréstimos de instituições financeiras e revê a participação do país no acordo de livre comércio entre Estados Unidos, América Central e República Dominicana República (CAFTA-DR).

A Nicarágua é um dos lugares mais perigosos do mundo para ser cristão, assegurou a deputada republicana María Elvira Salazar, que pede ao Fundo Monetário Internacional (FMI), ao Banco Mundial e ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) a suspensão de todos os empréstimos ao governo para “cortar o oxigênio”.

Segundo dados internacionais, cerca de 500 ONGs de diversos escopos foram fechadas desde 2018, ano em que aumentou a repressão do governo de Daniel Ortega e sua esposa e vice-presidente Rosario Murillo.

Como a Igreja é perseguida na Nicarágua

Os cultos e as pregações são constantemente monitorados e o acesso à saúde pública foi tirado dos cristãos. Templos foram destruídos e líderes cristãos relatam danos psicológicos devido às contínuas ameaças.

Nas escolas, o currículo educacional público oferece conteúdo político alinhado com o regime que nega ou deprecia outras ideologias, como a cristã.

Patrícia Montenegro, membro do Observatório Pró-transparência e Anticorrupção, afirma: “As igrejas têm sido fundamentais na crise de direitos humanos na Nicarágua e, por isso, tornaram-se alvo da perseguição indiscriminada de Ortega e seus aliados”.

Segundo o advogado do Coletivo de Defesa dos Direitos Humanos, Carlos Guadamuz, “a igreja tem o suporte da população. Em nível nacional, a igreja foi a última instituição sólida que restou. Não há outros grupos civis que tenham escapado da perseguição”.

Folha Gospel com informações de UOL, Terra e Portas Abertas



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais