Comissão dos EUA diz que liberdade religiosa no Afeganistão ‘se deteriorou’ sob o Talibã


Líderes do Talibã tomam o Afeganistão
Líderes do Talibã tomam o Afeganistão

Depois de um ano no poder, o Talibã reprimiu duramente todas as formas de religião que não estão de acordo com sua “interpretação extrema do Islã”, apontou o relatório da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, na última terça-feira (23).

A organização fundamentalista restabeleceu o “Ministério para Propagação da Virtude e Prevenção do Vício” e passou a impor rigorosamente o que eles consideram como “vestimenta e comportamento islamicamente apropriados”.

Anteriormente, o ministério se chamava “Comitê para a Propagação da Virtude e Eliminação do Pecado” e foi criado para a aplicação da sharia (conjunto de leis islâmicas) dentro da nação.

Seus membros e voluntários patrulham as ruas aplicando os códigos de vestimenta locais, separando homens de mulheres e impondo certos comportamentos tidos como obrigatórios pela religião do Estado.

O Talibã, no início, disse publicamente que estava comprometido com a mudança no estilo de governo e com a inclusão das pessoas. Um ano depois, porém, a organização mostrou que “continua governando de maneira semelhante à forma como governou o país entre 1996 a 2001”, disse a comissão dos EUA.

Pregando uma versão radical do islamismo sunita, os militantes do Talibã já mataram dezenas de muçulmanos xiitas, no ano passado, conforme notícias do Fox News.

O povo hazara — uma minoria étnica que pratica o islamismo xiita — chegou a ser deslocado aos milhares quando o Talibã os forçou a deixar suas casas.

O Talibã também falhou em proteger as minorias dos ataques do ISIS-K, disse o relatório. O Isis-K — sigla em inglês para Estado Islâmico da Província de Khorasan — é um braço regional do Estado Islâmico que atua no Afeganistão e no Paquistão.

Entre as minorias estão os cristãos que já viviam sob estreita liberdade religiosa, que se deteriorou com a chegada do Talibã ao poder. A Portas Abertas descreve o Afeganistão como “um dos maiores violadores da liberdade religiosa do mundo”.

Por lá, os cristãos estão enfrentando assédios, detenções e até mesmo a morte por causa da fé. E os cristãos de origem muçulmana têm sido forçados a praticar a fé escondidos por causa do medo da repressão e das ameaças do Talibã.

Fonte: Guia-me com informações de Fox News



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais