Cristãos são inocentados e libertos no Sudão


Cristãos no Sudão (foto representativa)
Cristãos no Sudão (foto representativa)

Quatro cristãos sudaneses foram presos no ataque à Igreja Batista em Zalingei, em Darfur, Oeste do Sudão. Os homens foram acusados de apostasia, apesar de a lei que criminalizava o abandono do islamismo ter sido revogada em 2021. Eles lideravam uma igreja autorizada pelo governo. Apesar disso, em junho deste ano, foram atacados e presos.

Na prisão, eles sofreram maus-tratos durante quase dois meses. No dia 3 de julho, eles foram levados diante do promotor, que “pediu que eles renunciassem à fé em Jesus e parassem de orar, participar de atividades na igreja ou compartilhar a fé cristã, senão seriam mortos. Os quatro cristãos recusaram a ordem e foram punidos por essa decisão”, segundo relatório da ONG Christian Solidarity Worldwide (CSW).

O caso foi transferido para um tribunal superior e na primeira audiência, no dia 30 de agosto, os cristãos foram julgados e inocentados. O juiz disse ser inadequado considerar a conversão de muçulmanos ao cristianismo como apostasia, já que isso não é mais crime na Constituição do Sudão. Segundo a CSW, os cristãos não precisaram pagar a fiança e os pertences deles, que foram apreendidos no ataque, foram devolvidos.

Igreja ameaçada

Apesar da decisão do tribunal, extremistas da comunidade ameaçaram e atacaram a igreja, que permanece fechada por causa do conflito. Outras três igrejas também fecharam em Zalingei este ano por causa do aumento da violência e ameaças na região.

O porta-voz da Portas Abertas na África Subsaariana comentou: “Celebramos a inocência das acusações, mas continuamos pedindo ao governo do Sudão que garanta a liberdade de religião. A situação mostra que os direitos de crença estão ameaçados pelas autoridades que querem desfazer os avanços do país nessa questão”.

A situação da igreja dos líderes cristãos e outras próximas à região demonstram a crise humanitária. “A igreja em que esses quatro homens congregam não poder abrir demonstra a pressão social que permanece limitando a prática da fé de cristãos. A comunidade internacional deve continuar pressionando os militares que governam o Sudão para que garantam os direitos humanos existentes antes do golpe”, concluiu o porta-voz.

Fonte: Portas Abertas



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais