Cristãos são presos e torturados na Coreia do Norte


Bandeira da Coreia do Norte
Bandeira da Coreia do Norte

O Comitê de Direitos Humanos da Coreia do Norte e a Associação Internacional de advogados (IBA, da sigla em inglês) afirmou em um relatório recém-publicado que “há indícios suficientes para concluir que crimes contra a humanidade foram e continuam sendo cometidos em larga escala” nos centros de detenção da Coreia do Norte.

O relatório descreve como as prisões norte-coreanas apoiam o Estado na tentativa de eliminar qualquer ameaça à liderança do país ou à ideologia do país.

Em 2022, a Coreia do Norte deixou de ser o país número um da Lista Mundial da Perseguição 2022, não porque a situação tenha melhorado no país, mas porque a pressão no Afeganistão foi maior do que a relatada no país. “Desde 2021, as leis antirrevolucionárias aumentaram o número de cristãos presos e de igrejas domésticas fechadas, mantendo a pressão aos cristãos.”

Presos pela fé

Testemunhas disseram que a prática da religião é suficiente para as denúncias e prisões. No relatório, “um prisioneiro no Centro de Detenção Jip-kyul-so, no Norte do país, contou que quase 60% dos companheiros que estavam presos com ele eram refugiados cristãos que estavam escondidos na China buscando liberdade religiosa, mas foram encontrados em cultos, deportados e presos”.

Segundo o relatório, “as pessoas são presas sistematicamente sem julgamento, [ou seja, sem possibilidade de defesa] e são intencionalmente subjugadas a sofrimentos físicos e psicológicos, além da privação de direitos básicos na prisão”. Os cristãos são alvos especiais na prisão, ficam sob constante vigilância e recebem tratamentos piores durante a detenção.

Cristãos torturados

Os períodos de detenção documentados foram mais longos para os cristãos do que para outros grupos, e testemunhas relataram que “os que se identificam como cristãos são interrogados por mais tempo e geralmente sob tortura”. Eles são submetido às piores formas de tortura e forçados a incriminar uns aos outros durante os interrogatórios, disseram os pesquisadores.

“O Estado considera o aumento do cristianismo no país uma séria ameaça, já que os cristãos não prestam culto às autoridades e também por causa dos trabalhos de organizações sociais e políticas cristãs que não seguem a ideologia do governo”, disse o relatório das Nações Unidas sobre Direitos Humanos na Coreia do Norte em 2014.

Socorro para cristãos presos 

Em diversos países, pessoas são presas apenas porque creem em Jesus e na prisão passam dias sem água, tratamento médico e outros direitos básicos. Com uma doação, você ajuda a fortalecer e atender as necessidades emergenciais dos cristãos presos na Coreia do Norte e em outros países onde os cristãos são perseguidos.

Fonte: Portas Abertas



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais