“Deus é glorificado mesmo no meio das horas mais sombrias da Ucrânia”, diz missionária


Mariana Laskava, uma missionária ucraniana atualmente servindo no Word of Life Ucrânia.
Mariana Laskava, uma missionária ucraniana atualmente servindo no Word of Life Ucrânia.

Mariana Laskava é ucraniana. Ela serve como missionária na Word of Life, uma missão com um instituto bíblico sediado perto de Kyiv.

Ela teve que fugir rapidamente, com uma pequena mala, por causa da ameaça de bombardeios que estavam prestes a começar na capital do país.

Depois de alguns meses servindo entre os refugiados ucranianos, Mariana conseguiu viajar para a Espanha, onde também participará de acampamentos neste verão.

Em setembro, ela espera retornar a Kiev, para servir na escola bíblica, onde acompanha os alunos à medida que crescem em sua jornada de fé e também trabalha como tradutora para vários professores de inglês e espanhol.

O site de notícias espanhol Protestante Digital conversou com ela sobre como ela está enfrentando esse conflito e a situação atual de seu país.

Leia a entrevista abaixo:

Pergunta. Que tipo de trabalho você faz e como era o dia-a-dia no colégio bíblico antes da guerra?

Resposta.. Sou missionária em tempo integral na Word of Life Ucrânia, uma missão que trabalha com jovens com foco em evangelismo, mas também temos um instituto bíblico.

Todos os anos, em setembro, um grupo de 30-50 jovens vem de diferentes países, tanto da Ucrânia como de países vizinhos, para estudar a Bíblia e viver no instituto por um ou dois anos.

Nós os orientamos em seus estudos, ajudando-os a aprender a desenvolver seus ministérios, encorajando-os no evangelismo – fazemos muito evangelismo de rua nas ruas de Kyiv – e ajudando-os a crescer em sua vida cristã, tanto por meio de treinamento quanto por o exemplo que eles podem ter de nós.

Passamos tempo com nossos alunos e construímos um relacionamento profundo com eles.

Uma propriedade Ucrânia tornou-se um ponto chave para a distribuição de ajuda e alimentos.

P. Você trabalha principalmente com jovens?

R. Os alunos geralmente ingressam no instituto bíblico depois de terminar o ensino médio, antes de ingressar na universidade, então geralmente têm entre 17 e 19 anos.

Em dois anos eles são treinados na Bíblia e na vida cristã no centro que temos lá, para que possam então desenvolver seu trabalho ou missão futura.

P. Todo este trabalho foi interrompido em fevereiro com a invasão russa . Como você experimentou isso?

R. Em dezembro, quando a Rússia começou a montar tropas na fronteira, os noticiários da TV já falavam sobre a possível invasão.

Nós, como missão, estávamos orando para que isso não acontecesse. Mas duas semanas antes do início da guerra, pedimos aos alunos que saíssem. Mudamos o feriado que costumavam ter em março para o início de fevereiro, pois a situação estava ficando tensa.

A liderança da missão nos Estados Unidos nos pediu para fazer as malas caso tivéssemos que evacuar.

No dia anterior à invasão nos chamaram para sairmos com urgência, que tínhamos 40 minutos para nos prepararmos para a evacuação de emergência.

Muitas pessoas na equipe não esperavam que isso acontecesse. Achei que poderia acontecer, por causa do acúmulo de soldados na fronteira.

P. Como você fugiu?

R. Foi tudo muito traumático, o que vivenciamos naquele dia e o que muitos vivenciaram nos dias seguintes.

Saímos rapidamente porque fomos avisados ​​de que o bombardeio de Kyiv começaria naquela noite, mas só podíamos levar uma pequena mala.

É difícil, porque você não pode colocar sua vida em uma mala, e você sai de casa correndo o risco de ser bombardeado. Você também deixa sua família lá, pessoas que você ama, que não saem do país, mas confiando que estão nas mãos do Senhor.

Foi um choque, algo que testou muito nossa fé. Foi traumático.

P. Você está agora na Espanha, mas qual foi sua viagem durante esses meses?

R. Estou agora na Espanha e muitas pessoas cuidam de mim. Mas quando a guerra começou fomos para a Hungria, para a propriedade que a missão tem lá.

Então, uma semana depois, parte da equipe foi para a Romênia, onde a missão começou a receber refugiados vindos da Ucrânia.

Em dois meses recebemos cerca de uma centena de pessoas que estávamos ajudando e servindo.

P. Quais são seus planos para o futuro, você acha que poderá retornar à Ucrânia?

R. A maioria de nossos missionários já retornou à Ucrânia. Os homens ficaram e durante esses meses prestaram tanto serviço, distribuindo alimentos e ajudando, até arriscando a vida.

As mulheres e crianças partiram, e algumas ainda estão em outras partes da Europa. Estou planejando ir para um acampamento na República Tcheca em agosto, e depois talvez voltar para a Ucrânia para continuar o trabalho na missão.

P. Atualmente você tem família na Ucrânia?

R. Sim, minha mãe, meu irmão e sua esposa não queriam ir embora. Eles estavam em risco em Kyiv, mas Deus cuidou deles, orei muito por eles e ainda estamos em constante comunicação.

P. Quando você enfrenta uma situação tão inesperada e complicada, o que você aprende sobre Deus e seu relacionamento com Ele?

R. Quando você entra em uma tempestade como uma guerra, se você tem um relacionamento próximo com Deus, você atravessa a tempestade segurando algo estável.

As emoções, os traumas que você passa podem ser muito prejudiciais, mas se você se apegar a Deus, a verdadeira Torre Forte, você pode conhecer ainda mais o Senhor.

Trabalho em aconselhamento pessoal e agora minha compreensão de como ajudar aqueles que sofrem é maior. Já que passei por tanto sofrimento, agora posso entender melhor essa situação.

Deus está abrindo portas, quando você tem um bom relacionamento com Ele, você sai mais forte, mas se o relacionamento não for bom, a situação pode levar você a ser esmagado.

P. Novas oportunidades de ministério foram abertas?

R. Nesta tempestade, conseguimos levar o evangelho a muitas pessoas. Nos lugares onde ficaram sem casa, sem recursos, 90% dos voluntários que trabalham na Ucrânia são cristãos.

Um grande testemunho está sendo dado. Nós como missão ajudamos trazendo bens, comida, roupas, água, pão, evacuando pessoas… E todas as oportunidades foram aproveitadas para pregar o evangelho.

Estamos envolvidos em algo grande, porque neste tempo cerca de 5.000 pessoas ouviram o evangelho através de nossos missionários.

A equipe do Word of Life tem ajudado nas evacuações, e esse trabalho continuou na área de Donbas, onde o conflito armado continua.

P. Como você acha que o país está lidando com esse fardo? Como as pessoas reagem entre aqueles que ainda não conhecem a Deus?

R. Tanto quanto eu entendo daqueles que estão trabalhando nas igrejas dando comida e ajuda, as igrejas estão se enchendo de pessoas que não conhecem a Cristo.

Uma igreja em Kiev que eu conheço bem está realizando as reuniões do lado de fora do prédio da igreja, porque lá dentro há espaço para cerca de 80 pessoas e há cultos onde eles têm mais de 300 pessoas participando. Eles estão fazendo atividades para crianças, para mulheres.

Tenho visto igrejas celebrando batismos. Assim, Deus é glorificado mesmo no meio das horas mais sombrias do nosso país.

P. Por que é importante ter Deus em sua vida em uma crise como essa?

A. A vida flui de Deus e em Sua presença há plenitude de alegria.

Se alguém quer viver uma provação com a força e a alegria do Senhor, deve confiar nEle, porque mesmo permitindo essa provação, Ele está trabalhando em nossos corações, suprindo as necessidades, nos ensinando e nos colocando onde precisamos ser.

Quando você confia em Deus você pode ver tudo isso, mas se você não tem Deus, você só pode ver as coisas ruins. Se alguém está perto de Deus, pode ver a obra de Deus em meio a grande dificuldade.

P. Com o passar do tempo, parece que perdemos a sensibilidade em relação à Ucrânia. Como podemos ajudar você e seu país?

R. Existem várias maneiras. É muito importante orar. Nossos soldados testificam que Deus está guardando suas vidas. Você precisa orar para que a guerra termine, para que as bombas não caiam onde o povo está, e que Deus preserve nosso país.

Você pode orar para que o evangelho continue a ser pregado e que muitos se tornem filhos de Deus.

Também pode ajudar nas finanças, através de diferentes entidades.

E a terceira via seria, quando a guerra terminasse, a constituição de equipes de trabalho para ajudar na reconstrução das casas e das infraestruturas.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais