Especialista alerta sobre sexualização de crianças: “Saiba o que seus filhos assistem”


Criança assistindo a televisão
Criança assistindo a televisão

A especialista em mídia Melissa Henson está alertando sobre conteúdo cada vez mais sexualizado em programas infantis.

Diretora de programa do Parents Television and Media Council, uma organização de monitoramento de mídia dedicada a proteger crianças e famílias, ela disse ao Faithwire da CBN que acredita que duas tendências convergentes estão no centro desse fenômeno preocupante.

“Uma é a infantilização dos adultos e a outra é a sexualização das crianças, e essas se encontraram em um lugar desconfortável”, disse Henson.

“Ao mesmo tempo, estamos vendo redes produzindo programas animados que afirmam ser para o público adulto. Eles são classificados para adultos, mas os temas e os personagens envolvidos geralmente são menores”.

A discussão vem na esteira de programas infantis com suas agendas de ideologia de gênero em atividade, como a série animada da Netflix “Jurassic World: Acampamento Jurássico”, que exibe beijo entre pessoas do mesmo sexo.

Melissa diz que “estamos olhando para programas como ‘Big Mouth’ ou ‘Recursos Humanos’ na Netflix, que sexualizam as crianças de maneiras muito preocupantes”.

Para a especialista, algumas dessas séries têm classificadas que indicam que o conteúdo é para “públicos maduros”, mas invoca personagens ou temas mais jovens.

“Ou eles estão mentindo sobre quem é o público-alvo desses programas, ou estão incentivando os espectadores adultos a sexualizar e ver crianças – de 12, 13 anos – como objetos sexuais. De qualquer forma, é bastante perturbador.”

Alavancados pela pandemia

Para Melissa, essas questões se tornaram cada vez mais preocupantes durante a pandemia da Covid-19, à medida que famílias e indivíduos se voltavam cada vez mais para plataformas de streaming para consumir entretenimento.

“A dificuldade é… esta é uma indústria não regulamentada”, disse ela. “A transmissão de televisão estava sujeita aos regulamentos de indecência da FCC. Mesmo a programação original a cabo, embora não sujeita aos regulamentos da FCC, foi controlada pelos anunciantes.”

Com os serviços de streaming predominantemente apoiados pela receita dos assinantes, Melissa disse que “vale tudo” quando se trata de conteúdo, lamentando os temas sexuais e adultos emergentes em uma escala “que você nunca teria visto na televisão aberta ou a cabo”.

Mas, para a especialista em mídia, as preocupações mais consistentes dizem respeito à inclusão de personagens mais jovens nessas histórias.

“Estamos vendo, por exemplo, ‘Euphoria’ na HBO Max, que deveria ser ambientada no ensino médio, e então eles estão mostrando esses personagens em idade escolar nus”, disse ela. “Eles estão mostrando esses personagens em idade escolar envolvidos em atos sexuais. Isso é, até onde eu sei, sem precedentes.”

Ideologia de gênero

O cenário “Jurassic World: Acampamento Jurássico” é o mais recente a surgir em torno de temas adultos jogados entre personagens menores.

“Jurassic World: Acampamento Jurássico, da Netflix, é a mais recente série de TV voltada para crianças que inclui conteúdo sexual”, escreveu recentemente o Movieguide. “Depois de cinco temporadas, a série animada culmina em um beijo apaixonado entre duas meninas.”

De acordo com o canal, a Netflix não incluiu nenhum aviso ou isenção de responsabilidade para os pais sobre o conteúdo do episódio, deixando em vigor sua classificação TV-PG. O show é classificado para crianças com idades acima de 7 anos.

A cena está criando polêmica em lugares como a Hungria, onde a Autoridade Nacional de Mídia e Comunicações do país investiga se o episódio violou uma lei de 2021, que proíbe a exibição de conteúdo transgênero e homossexual para crianças, informou o Politico.

Controvérsias

As controvérsias em relação a conteúdo voltado para crianças não são novas, mas tem escalado para temas cada vez mais preocupantes.

Melissa disse que uma reclamação de longa data foi a inclusão de temas sobre namoro de crianças no conteúdo do Disney Channel e outros programas infantis.

“Acho que isso é apenas uma extensão, onde eles estão mostrando essas crianças, crianças muito novas, que no mundo real provavelmente nem estariam interessadas em namorar”, disse ela.

“De repente, eles estão se envolvendo em relacionamentos e se envolvendo em um comportamento sexual que está muito além da experiência da criança comum”, afirma.

Alerta aos pais

Melissa alerta aos pais para estarem cientes sobre essas questões e não assumirem que as empresas que anteriormente eram adequadas para crianças ainda continuem assim. Muitas mudaram.

“Temos que acabar com a suposição de que muitos de nós nos apegamos por muito tempo a isso, ‘Ah, é a Disney. É seguro’ ou, ‘Ah, é esta marca. É segura’”, disse ela. “Acho que temos que assumir que estamos operando em um ambiente hostil e que a maioria da mídia direcionada aos nossos filhos é hostil aos nossos valores, e temos que operar com essa suposição.”

Melissa incentivou os pais a assistirem o conteúdo antes das crianças. Em uma era em que crianças e pais estão todos em dispositivos individualizados em salas separadas, esse é um chamado convincente para alguns pais e famílias – mas necessário.

“Saiba o que seus filhos estão assistindo e que tipo de mensagens eles estão absorvendo da mídia que estão consumindo”, disse ela.

Fonte: Guia-me com informações de Faithwire

SIGA O FOLHAGOSPEL NO INSTAGRAM: @FOLHAGOSPEL



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais