Evangélicos pedem que os pró-aborto tenham “tolerância e respeito” durante Marcha Pela Vida, na Suíça


Uma das organizações alvo de vandalismo antes da Marcha pela Vida de 2021 na Suíça
Uma das organizações alvo de vandalismo antes da Marcha pela Vida de 2021 na Suíça

Os pró-vida suíços realizam sua Marcha Pela Vida anual em 17 de setembro, e a pressão de ativistas e políticos pró-aborto aumentou durante o verão.

Nos últimos anos, grupos que expressam seu apoio à marcha pacífica celebrada na capital Berna e Zurique sofreram ataques contra seus escritórios, vandalismos e pichações contra casas de líderes cristãos.

No período que antecede a Marcha pela Vida deste ano, a Aliança Evangélica Suíça (SEA, sigla em inglês) está chamando os ativistas do aborto por “mais tolerância e proteção da liberdade de expressão”.

“A Suíça democrática garante a liberdade de expressar diferentes formas de pensar para convencer com argumentos e influenciar os acontecimentos políticos”, diz a SEA . E “isso deve valer para todos. Estados totalitários restringem massivamente essa liberdade de expressão”.

A marcha dos cidadãos suíços que “valorizam a família e defendem o direito da criança a viver” não deveria enfrentar ano após ano “ativistas pelo direito ao aborto que quebram janelas, jogam sacos de tinta em escritórios, sujam prédios com slogans obscenos e exigindo que as relações comerciais com os dissidentes sejam interrompidas”.

Este ano, até uma organização que não apoia a marcha foi alvo de um boicote . A Helsana, uma conhecida seguradora, foi criticada por políticos de esquerda por prestar serviços à associação familiar “Pro Life”, que tem 70.000 membros na Suíça. Pichações nos prédios de Helsana e a pressão política forçaram a Helsana a explicar que não tem uma posição sobre o aborto, reivindicando o direito fundamental à liberdade de expressão e a igualdade de tratamento dos parceiros de negócios, independentemente de sua posição política.

Após anos de esforços para silenciar a voz de grupos pró-vida, a Aliança Evangélica Suíça desafia “os defensores do aborto a defender o direito à liberdade de expressão em seu ambiente e a tratar aqueles que pensam de outras maneiras com tolerância e respeito. Este é um dos fundamentos da nossa convivência democrática na Suíça”.

Em 2021, cerca de 1.200 pessoas aderiram à Marcha Suíça pela Vida em Zurique.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais