Extremistas muçulmanos espancam e matam evangelista em Uganda


Bandeira de Uganda
Bandeira de Uganda

Extremistas muçulmanos foram à casa de um evangelista que havia realizado eventos ao ar livre no leste de Uganda e o mataram, disseram fontes.

Cortado com um instrumento afiado que deixou sua cabeça e pescoço com feridas profundas, Sozi Odongo foi morto em sua casa na cela de Omorio, Conselho Municipal de Agule, distrito de Pallisa, em 29 de julho, enquanto sua esposa e quatro filhos se escondiam em um quarto. Odongo tinha 45 anos.

Na semana anterior, disseram as fontes, Odongo recebeu mensagens de texto ameaçadoras, incluindo uma de Nasuru Ongom, um xeque muçulmano (professor) na cidade de Palissa, que dizia: “Por favor, pare de pregar ao nosso povo usando o Alcorão sagrado, ou então você arrisca sua vida.”

Odongo citou o Alcorão e os hadiths islâmicos (ditos do profeta islâmico Maomé) em eventos evangelísticos dirigidos a árabes mestiços em várias aldeias do distrito de Pallisa, disseram fontes.

Após tal evento em 29 de julho, ele chegou em casa e jantou com sua família quando ouviram um grupo de pessoas vindo em direção a sua casa por volta das 19h15, disse sua esposa, Stella Kilo. Eles trancaram a porta.

“Nós os ouvimos falar em árabe e nos perguntamos qual poderia ser o problema”, disse Kilo. “Eles chegaram e bateram na porta.”

Ela e seus filhos entraram no quarto, mas Odongo destrancou e abriu a porta, e os assaltantes começaram a espancá-lo em todas as partes do corpo, disse ela.

“Ele gritou enquanto mencionava o nome de Nasuru, dizendo: ‘Deixe-me Nasuru, Nasuru, Nasuru, por favor, não me mate, apenas diga a seus colegas para me deixarem’”, disse Kilo ao Morning Star News. “Então ouvi um barulho alto e depois disso não ouvi mais gritos.”

Os agressores provavelmente foram embora, mas ela e as crianças permaneceram no quarto por uma hora, com medo de que ainda estivessem lá, disse ela.

“Tentei ligar para meu marido, mas ele não conseguia falar, então liguei para um vizinho e o informei sobre a situação”, disse ela.

O vizinho chegou e informou o presidente da LC1 da área, George Ochola, que veio e encontrou o corpo de Odongo cortado várias vezes na cabeça, pescoço e braço, disse Kilo. Ochola chamou a polícia que chegou imediatamente.

Ochola registrou um boletim de ocorrência na polícia de Agule (CRB 434/2022), e fontes disseram que os policiais estavam procurando por Ongom por suspeita de assassinato.

O ataque foi o mais recente de muitos casos de perseguição de cristãos em Uganda que o Morning Star News documentou.

A constituição de Uganda e outras leis preveem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a própria fé e converter de uma fé para outra. Os muçulmanos não representam mais de 12% da população de Uganda, com altas concentrações nas áreas orientais do país.

Folha Gospel com informações de The Christian Post e Morning Star News

SIGA O FOLHAGOSPEL NO INSTAGRAM: @FOLHAGOSPEL



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais