Faces da Perseguição: A jornada de fé da cristã Ayse na Turquia


Faces da Perseguição: a história da cristã Ayse
Faces da Perseguição: a história da cristã Ayse

“Nós cortaremos a cabeça deles se continuarem distribuindo Bíblias.” Essa frase, dita por um extremista turco, mostra um pouco da realidade vivida pela cristã Ayse Koyun na Turquia. No episódio desta semana da série Faces da Perseguição, você conhecerá o testemunho dela.

Como a maioria dos seus compatriotas, ela nasceu em um lar muçulmano na Turquia. Apesar de se declarar um país laico, a realidade da sociedade turca é que a maioria muçulmana tem privilégios e orienta as leis do país. Assim que um bebê nasce, as orações islâmicas são entoadas e as minorias de outras religiões, como os cristãos, são muito malvistas.

Uma nova vida

Como recebeu educação tradicional islâmica, Ayse seguia os rituais do Ramadã e as orações islâmicas, mas sem convicção do sentido daquilo. Em 1994, ela e a família fugiram para a Alemanha, por motivos de segurança, e durante dez anos moraram em um vilarejo de maioria cristã. Ali, ela e a família conheceram a Jesus.

Quando Ayse teve filhos, passou a enviá-los para as escolas cristãs, onde a filha mais velha conheceu Jesus e logo compartilhou com outros familiares. Ayse não creu em Jesus tão rapidamente. Foi quando estava sob a ameaça de ser deportada para a Alemanha que ela fez sua primeira oração a Jesus e viu o agir de Deus na vida dela e da família.

Desafios

Apesar das boas novas, Ayse ainda estava insegura quanto à reação do marido muçulmano quando soubesse que ela agora era cristã. Quando, pouco depois, ela e o marido foram deportados para a Turquia sem os filhos, o desafio de permanecerem firmes em Jesus, sobretudo no país natal que maltratava cristãos, foi muito grande.

Para saber como Ayse enfrentou esses desafios e outros momentos marcantes da vida dessa cristã, assista ao episódio abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=rQHrAtfzxE

Fonte: Portas Abertas



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais