Governo da Índia nega perseguição a cristãos


Igreja queimada na Índia
Igreja queimada na Índia

Mesmo estando nítida a situação dos cristãos na Índia, o governo insiste em negar que age com violência contra aqueles que se convertem ao cristianismo, como aconteceu na última terça-feira (23).

Em vários Estados, há prisão decretada para quem não segue as regras das autoridades hindus radicais — que sufocam cada vez mais a liberdade religiosa no país.

Há dezenas de relatórios provando a perseguição aos cristãos e milhares de reportagens mostrando que a situação piora a cada dia, conforme o International Christian Concern (ICC) — organização cristã que monitora a perseguição no mundo.

De acordo com Matias Perttula, diretor de advocacia da ICC, a comunidade cristã, na Índia, é alvo da ideologia extremista do movimento Hindutva — ideologia política nacional que prioriza o absolutismo étnico. Para os indianos radicais, o ideal é que toda a população seja hindu.

Para chegar a esse objetivo, os hindus radicais atacam igrejas, fazem ameaças e intimidam cristãos, além de boicotes sociais, espancamentos e prisões arbitrárias. Tudo isso tem se tornado “comum demais” para as minorias cristãs.

Semana após semana, organizações em todo o mundo relatam dezenas de ataques contra cristãos em toda a Índia e, conforme Matias, “em vez de abordar os graves abusos de direitos humanos que ocorrem em seu próprio país, o governo indiano parece mais interessado em manter uma imagem pública, que fale de uma sociedade harmoniosa e multi-religiosa”.

Independentemente dos fatos inegáveis, o procurador-geral da Índia, Tushar Mehta, afirmou recentemente que as noções de crescente perseguição e ataques contra os cristãos são baseadas em “fatos malfeitos e egoístas” e citou também artigos e relatórios como “mera conjectura”.

“Como grande parte da comunidade internacional está começando a perceber, as táticas da Índia são apenas uma fachada. O próprio fato de Mehta ter negado provas factuais levanta sérias preocupações se ele é ou não qualificado para o cargo de Procurador-Geral”, observou Matias.

“Suas práticas discriminatórias falam de uma crença mais ampla mantida em todo o governo indiano — uma onde a justiça é baseada na simples realidade da identidade religiosa de uma pessoa”, continua.

“Como os hindus praticantes continuam a atacar os cristãos impunemente, e os pastores e paroquianos são cada vez mais alvos da blasfêmia da Índia e das leis anticonversão patrocinadas pelo Estado, é impossível para qualquer um acreditar na verdade das declarações de Mehta”, destacou.

Matias lembra que o primeiro-ministro Modi é membro vitalício do grupo fascista Hindutva RSS e que ele pouco fez para resolver o problema em seu país.

“Nos primeiros dias de sua carreira, Modi era conhecido como o ‘Açougueiro de Gujarat’ quando ignorou um massacre antimuçulmano que resultou em uma proibição de viagem para os EUA. Foram atos de terror”, concluiu ao alertar que a perseguição aos cristãos está se tornando cada vez mais violenta.

Fonte: Guia-me com informações de International Christian Concern



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais