Igreja de Valdemiro Santiago é condenada 15 vezes em 30 dias por dívidas


Valdemiro Santiago é líder e fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus
Valdemiro Santiago é líder e fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus

Com mais de seis mil templos divididos entre Brasil e outros países, Valdemiro Santiago, fundador e líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, uma série de problemas com a Justiça.

Entre os dias 23 de maio e 21 de junho, a Igreja Mundial do Poder de Deus foi alvo de 15 processos na Justiça de São Paulo, todas em primeira instância e relacionadas a dívidas com proprietários de imóveis alugados pela instituição. Os imóveis foram alugados para serem utilizados como templos, casa de pastores e estacionamento para os cultos.

A denominação fundada pelo pastor Valdemiro Santiago em 1998 acumula um débito que passa de R$ 2,5 milhões.

De acordo com o portal UOL, em um dos casos, em Mogi Guaçu, no interior paulista, a igreja se instalou em 2014 e, desde 2019, não paga nenhum valor. O comerciante tentou cobrança extrajudicial, o que não adiantou. O juiz Roginer Garcia Carniel condenou a igreja a pagar R$ 381 mil, valor que será acrescido de juros e correção monetária.

Em outro caso, um funileiro cobra R$ 20 mil de aluguéis também não quitados na cidade de São Bernardo. Nova condenação, desta vez assinada pelo juiz Rodrigo Campos. A igreja ainda pode recorrer das decisões.

Nas defesas anexadas aos processos, a igreja afirma ser uma instituição sem fins lucrativos e que é “público e notório” as dificuldades financeiras, “principalmente pelo longo período de pandemia”. É dito que “todas as igrejas do Brasil foram compelidas a fechar as portas”. De acordo com o texto, a falta de atividades religiosas, diminuiu a arrecadação.

Escândalos e processos

Os últimos anos têm sido marcados por escândalos, perdas de processos e penhoras de bem. Em agosto de 2021, Valdemiro foi acusado de ter recebido uma “cifra milionária” da própria igreja. O juiz Mário Roberto Negreiros Velloso afirmou que o líder religioso embolsou mais de R$ 1,2 milhão no último ano. “Há fortes indícios de que a igreja esteja transferindo seu patrimônio a Valdemiro”, frisou o magistrado.

Entre as situações enfrentadas, agora mais recentes, em abril deste ano, o juiz Luiz Fernando Guerra decidiu colocar para leilão o templo da igreja localizado no bairro Santo Amaro, na zona Sul de São Paulo. O motivo? Dívida de R$ 409,8 mil.

O edifício, avaliado em mais de R$ 33 milhões, tem 46,8 mil metros quadrados e capacidade para receber cerca de 20 mil pessoas. Inaugurado em 2014, possui setor administrativo, piscina, estacionamento para 813 carros e 162 motos, tudo dividido em cinco pavimentos.

Em documento enviado à Justiça, a igreja não contesta a dívida com a Guima-Conseco, mas tentou anular o leilão argumentando que o imóvel vale muito mais do que o valor homologado pelo juiz. “A não suspensão do leilão poderá acarretar em grande prejuízo patrimonial para a Igreja Mundial”, diz trecho.

Em outubro do ano passado, o pastor foi condenado a pagar R$ 35 mil ao governador da Bahia, Rui Costa, por danos morais. Ele alegou que o fundador da Mundial teria dito que ele fez “pacto com o capeta”. A citação foi feita porque o gestor proibiu o funcionamento dos templos durante a pandemia da covid-19.

Há cerca de dois meses, a Justiça paulista determinou a penhora de 25% do faturamento da instituição religiosa mantida pelo apóstolo. Para a magistrada Ana Cláudia Guimarães e Souza, em um dos processos, o locatário cobra uma dívida que gira em torno de R$ 117 mil em aluguéis da igreja. Ela, inclusive, autorizou que a medida judicial fosse feita durante o culto, após o recolhimento do dízimo.

Durante a pandemia, o líder da Igreja Mundial de Deus foi acusado de estelionato após um vídeo ser divulgado na internet com Valdemiro anunciando sementes de feijão com “poderes de curar a covid-19”. No entanto, dois anos depois o caso foi arquivado, a pedido do Ministério Público de São Paulo.

O arquivamento em definitivo da acusação envolvendo o líder religioso ocorreu porque, de acordo com o órgão, o evangélico foi vítima de uma “fraude”. A perícia criminalística feita nos vídeos com a entrevista (que gerou a denúncia) comprovou que houve “edição fraudulenta”.

O conteúdo original não chegou a ser publicado. Para os profissionais que fizeram a análise, houve uma edição feita com o objetivo de distorcer o que Valdemiro disse de fato, e que sua citação ao “feijão mágico” não passou de uma figura de linguagem.

Folha Gospel com informações de UOL



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais