Igreja ucraniana no Brasil cresce após a chegada de refugiados


Primeira igreja Batista de Curitiba recebe refugiados ucranianos
Primeira igreja Batista de Curitiba recebe refugiados ucranianos

Prestes a completar seis meses, a guerra na Ucrânia produziu, além de destruição e mortes, um contingente gigantesco de refugiados. Segundo a ACNUR (Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados), já passam de 6 milhões de ucranianos nessas condições, que buscam refúgio em países vizinhos, como a Polônia, mas também em outros distantes, como o Brasil.

Esse número cresceu quando o governo brasileiro anunciou a liberação de passaporte humanitário para os ucranianos mais vulneráveis, facilitando a entrada desse grupo no país.

Entre os refugiados, mais de 1 milhão de crianças deixaram a Ucrânia só em março deste ano, segundo o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas (Unicef).

Na época, o pastor brasileiro Elias Dantas, fundador da Global Kingdom Partnership Network (GKPN), uma rede global de igrejas e pastores, esteve em Lviv, no oeste da Ucrânia, e acompanhou a ação de resgate.

Com a chegada dos ucranianos no Brasil, diversas igrejas passaram a recebê-los, além de comunidades que se formaram a partir da chegada dos refugiados.

Vitalii e Iryna Arshulik são ucranianos que vivem no Brasil como plantadores de igrejas, e ministram em uma área onde 80% da população é descendente de ucranianos.

O casal brasileiro trabalha em parceria com Elias Dantas que está em parceria com os Estados Unidos.

Igrejas envolvidas

Os Arshulik representam uma articulação de exercícios entre organizações e igrejas evangélicas ao redor do mundo que buscam os auxiliares. O Conselho de Missão Internacional desempenha um papel ativo nesse esforço.

Em março, a Primeira Igreja Batista de Curitiba enviou Vitalii a São Paulo para receber o primeiro grupo de 29 ucranianos – composto por oito famílias.

Assim que chegam, os ucranianos recebem cuidados dos membros da igreja local, que os levaram a um passeio pela região, apresentando-lhes a cultura local e a culinária tradicional brasileira.

Os ucranianos contam, em lágrimas, suas vidas experiências com a guerra. Depois dessa transição inicial no Brasil, a igreja os ajuda a encontrar moraria em bairros próximos.

Diversos outros grupos que chegaram ao Brasil foram recebidos com os mesmos cuidados. Igrejas Batistas locais se estabeleceram para ajudar a longo prazo com os refugiados.

Impacto

Os refugiados são todos irmãos e irmãs em Cristo, provenientes de igrejas evangélicas na Ucrânia e já estão produzindo um impacto na cidade.

A igreja em Prudentópolis, onde Vitalii e Iryna servem, alugou um espaço maior para adoração, pois mais de 100 pessoas têm se reunido todos os domingos. Eles também iniciaram um grupo de jovens.

O casal foi convidado para contar suas experiências com a ajuda a refugiados ucranianos em muitos programas de rádio e televisão.

Além disso, a influência deles chegou a outros países, tendo se encontrado com os embaixadores dos Estados Unidos, do Canadá, da Ucrânia, Inglaterra e União Europeia, buscando encontrar maneiras de ajudar os ucranianos a se ajustarem à nova cultura.

Conhecer a cultura ucraniana ajuda a família de Vitalii a se comunicar com os refugiados no próprio idioma.

Os Arshulik acreditam que Deus os preparou para essa oportunidade ministerial. Além do chamado inicial de levarem os brasileiros descendentes de ucranianos a Cristo, eles agora têm o desejo de ajudá-los em suas necessidades físicas, emocionais e espirituais.

Fonte: Guia-me com informações de IMB



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais