Igreja Universal ataca Lula em editorial: ‘Finge que não aprendeu o que é facção criminosa’


Edir Macedo é líder e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus
Edir Macedo é líder e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus

Um texto publicado este domingo no site da Igreja Universal faz duras críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que vem liderando as pesquisas na disputa pela chefia do Executivo.

O editorial, que também foi veiculado no jornal semanal da entidade, distribuído gratuitamente a fiéis, faz menção a uma entrevista concedida pelo petista há pouco mais de dez dias. Na ocasião, em declaração à Rádio Super, de Minas Gerais, Lula respondeu, ao ser questionado sobre a baixa intenção de voto entre evangélicos, que não é “candidato de uma facção religiosa”.

“O ódio do candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva contra os cristãos é notório. O ex-presidiário não consegue conter a mágoa que sente das igrejas cristãs, por não conseguir o apoio delas para o seu projeto de retorno ao poder”, inicia o texto da igreja fundada e liderada por Edir Macedo, que em seguida lembra a fala recente do petista. “No mais recente discurso para seus minguados adoradores em São Paulo, ele defendeu o Estado laico, ou seja, com a igreja fora das decisões políticas do Estado”, acrescenta a Universal.

“Ele tenta disfarçar o preconceito que nutre contra os evangélicos e cristãos católicos e fala que se ganhar as eleições vai tratar todos os credos religiosos de forma igualitária. Lula e todos os seus seguidores sempre desprezaram os evangélicos”, pontua o texto, que frisa que os evangélicos são “o fiel da balança nas eleições”. Ainda assim, argumenta o editorial, “os cristãos foram deixados de lado das políticas de Estado, mesmo totalizando cerca de 55 milhões de eleitores”.

O artigo passa, então, a subir ainda mais o tom sobre o ex-presidente. “Lula passou uma temporada na cadeia, porém finge que não aprendeu o que é facção criminosa, mas vamos refrescar a memória do ex-presidiário e de quem já não lembra mais de um emblemático caso de atuação de uma facção criminosa”. Na sequência, são lembrados detalhes do escândalo do mensalão, ainda no primeiro mandato de Lula, e da Operação Lava-Jato, que resultou na prisão do petista, em condenações posteriormente anuladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

“Agora vamos fazer um comparativo com a instituição que Lula chamou de facção: as igrejas. O trabalho espiritual das Igrejas é incontestável. A Palavra de Deus que é pregada no Altar atinge a alma das pessoas e conforta e liberta o aflito e amargurado de espírito. O Evangelho de Jesus Cristo revela ao homem a força e o poder que ele tem de mudar graças à fé de qualquer situação e resolver qualquer problema”, discorre o texto.

“Além disso, as igrejas cumprem um relevante trabalho social. Somente os programas sociais da Igreja Universal distribuíram gratuitamente 53 mil toneladas de alimentos desde o início da pandemia para socorrer as populações mais afetadas pela crise sanitária”, acrescentam os autores do artigo, que perguntam: “A quem o trabalho da Igreja prejudica? Quem é a verdadeira facção?”. “O povo brasileiro vai saber retribuir nas urnas essa afronta que o ex-presidiário está fazendo a quem só faz bem à sociedade”, conclui o editorial, que traz ao fim a mensagem “com suporte de Denis Farias, advogado, professor e consultor jurídico”.

A pesquisa Ipec divulgada nesta segunda-feira mostrou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) ampliou a distância para Lula entre os evangélicos. Em 15 de agosto, 18 pontos percentuais separavam os dois candidatos. Agora, são 22.

Lula foi de 29% para 26% das intenções de voto, o que mostra uma possível tendência de queda do ex-presidente no segmento. Bolsonaro, por sua vez, oscilou dentro da margem de erro: passou de 47% para 48% da preferência do eleitorado evangélico.

Fonte: O Globo

SIGA O FOLHAGOSPEL NO INSTAGRAM: @FOLHAGOSPEL



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais