Igrejas correm risco caso ignorem o discipulado de crianças, alerta líder infantil


Crianças orando
Crianças orando

Matt Markins, que é chefe da organização de discipulado infantil Awana — ministério cristão que discipula crianças para que amem e sirvam a Cristo — fez um alerta para as igrejas que não investem com o objetivo de discipular os pequenos..

Conforme a organização de pesquisa Barna Group, a maioria das pessoas formaram sua cosmovisão por volta dos 13 anos de idade. Por esse motivo, Matt acredita que é importante inserir o discipulado na formação infantil e não esperar até o ensino médio.

Ele lembra que, no ensino médio, é justamente quando os adolescentes começam a abandonar a igreja. Matt disse ao Christian Post sobre a importância do Fórum de Discipulado Infantil de Awana, que acontece nos dias 22 e 23 de setembro, em Nashville, no Tennessee, EUA.

Sobre o evento

Espera-se que cerca de 500 pessoas participem do evento de dois dias que incluirá apresentações sobre pesquisas conduzidas por Awana e pelo Barna Group.

Entre os palestrantes estão o pastor da Igreja da Transformação, Derwin Gray, a apologista e acadêmica Rebecca McLaughlin, o CEO do Barna Group, David Kinnaman, o professor do Grove City College, Carl Trueman, o teólogo Ray Ortlund, entre outros.

“As igrejas realmente precisam investir nas crianças. É o que estamos fazendo com as crianças de 8 anos”, disse.

Em busca de uma fé duradoura

Outra pesquisa que Matt considerou significativa revela que 39% das crianças relataram ter pelo menos um adulto em sua igreja além de seus pais que “os conhece, os ama e cuida deles”.

Ele observou que essas crianças que estão sendo cuidadas espiritualmente se saíram melhor em assuntos como “engajamento bíblico”, “servir na igreja”, sentir que “pertencem à igreja” e continuar “a seguir a Cristo nos próximos anos”.

“Não há comparação entre as crianças que têm outro adulto envolvido com elas com as crianças que não têm”, acrescentou.

“Então, qual é o ponto para pastores e líderes? Se você cultivar uma cultura em sua igreja onde as crianças são conhecidas, amadas e cuidadas por outros adultos amorosos e atenciosos, você vai desenvolver crianças que se tornam adolescentes, estudantes e jovens adultos que têm uma fé duradoura”, apontou.

O que a Igreja deve fazer?

No ano passado, durante o primeiro Fórum de Discipulado Infantil Awana, Matt disse que “foi dado o pontapé inicial” sobre a questão de ajudar a Igreja a passar do ministério infantil para o discipulado infantil.

“Neste ano, o foco será no ministério infantil do ‘mapa antigo’ versus o ministério infantil do ‘mapa novo’ — como as igrejas podem mudar de um para o outro”, explicou.

Matt definiu o mapa antigo como se concentrando mais no número crescente de membros e sendo “atraente”, enquanto o novo mapa é centrado no discipulado e sendo “mais formativo”.

“Como formamos uma fé duradoura nas crianças? O que a Igreja deve fazer para ajudar nisso?”, questionou Matt ao alertar que esse é um tema urgente e que as igrejas não podem mais fazer o que têm feito há duas décadas.

“Se continuarmos a olhar para o ministério infantil apenas através das lentes do entretenimento e do atrativo — como forma de atrair mais pessoas para nossa igreja — não vamos formar as crianças antes dos 13 anos para serem discípulos que fortalecem uma cultura cristã”, disse.

“Queremos construir um caminho para um futuro melhor. Mas se não tomarmos a decisão de avançar nessa direção, em algum momento a Igreja no Ocidente perceberá que está numa plataforma em chamas”, enfatizou.

Fundada em 1950, Awana é uma organização de ministério infantil que possui uma programação que atinge milhões de crianças em cerca de 68.000 igrejas em mais de 130 países.

O nome Awana deriva da frase “Obreiros aprovados não se envergonham”, que alude a 2 Timóteo 2.15: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais