Líderes da Igreja Universal tiveram prejuízo de R$ 8,7 milhões com bitcoins


Glaidson Acácio dos Santos, faraó dos bitcoins, e o símbolo do bitcoin (Imagem: Montagem/Canva Pro)
Glaidson Acácio dos Santos, faraó dos bitcoins, e o símbolo do bitcoin (Imagem: Montagem/Canva Pro)

Conhecido como o “faraó dos bitcoins”, Glaidson Acácio dos Santos, causou um grande prejuízo a fiéis, pastores, bispos e seus familiares, tanto na RecordTV como na Igreja Universal, como revelado numa lista em poder do Ministério Público Federal.

O ex-pastor da igreja, Fabiano Freitas, foi quem atraiu e fez todas as operações com essas pessoas. A coluna de Ricardo Feltrin, na Splash UOL, obteve os nomes de 160 pessoas — que ou trabalham na Record, ou são fiéis da Igreja — com exclusividade.

Somente elas, levaram um prejuízo de R$ 8,71 milhões. Foi prometido aos fiéis e funcionários da Record, um retorno de 10% ao mês sobre seus investimentos — e isso é o que as instituições financeiras costumam pagar aos seus clientes no período de um ano.

Como Glaidson Acácio dos Santos simplesmente “desapareceu” com o dinheiro, algumas pessoas perderam as economias de uma vida toda. Segundo as autoridades, o “faraó dos bitcoins” chegou a movimentar R$ 38 bilhões. O ex-pastor da Universal, Glaidson, que hoje está preso, já declarou um patrimônio de R$ 60 milhões à Justiça Eleitoral.

Somente a um fiel da Universal, foi provocado um prejuízo de R$ 1,1 milhão. A vítima é um ex-jogador de futebol, aposentado e que atuou no XV de Piracicaba. Sua identidade, porém, não foi revelada.

Anderson Souza, diretor de dramaturgia da Record, também perdeu cerca de R$ 100 mil. E a família do deputado Marcos Pereira, perdeu cerca por volta de R$ 420 mil. Ele é conhecido por ser o famoso articulador e operador dos interesses da Universal e de Edir Macedo no Congresso.

Fonte: UOL



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais