Mulheres cristãs são duplamente vulneráveis e suscetíveis à violência


Mulheres e crianças são vítimas constantes de violência, agressão e discriminação ao redor do mundo (Foto: Portas Abertas)
Mulheres e crianças são vítimas constantes de violência, agressão e discriminação ao redor do mundo (Foto: Portas Abertas)

Hoje é celebrado o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. O objetivo dessa data é dar visibilidade para o problema enfrentado por milhares de mulheres em diversas nações. Muitas cristãs da Igreja Perseguida vivem essa realidade. A data foi reivindicada por um movimento feminino latino-americano, em 1981.

Na ocasião, três irmãs da República Dominicana foram assassinadas, em 1960, pela polícia secreta do país. Elas eram ativistas políticas e ficaram conhecidas pelo sobrenome: irmãs Mirabal.

Uma delas, Minerva Mirabal, ao ser ameaçada pelas autoridades, respondeu: “Se me matam, levantarei os braços do túmulo e serei mais forte”. De acordo com a história contada pela BBC News Brasil, o regime do presidente Rafael Leónidas Trujillo (1930-1961) mandou matá-la.

Os corpos das três irmãs, Minerva, Patria e Maria Teresa, foram encontrados dentro de um jipe, no fundo de um barranco, junto do motorista Rufino de La Cruz. E a promessa de Minerva se cumpriu, pois até o dia de hoje sua história é lembrada e o crime se converteu em símbolo da luta da mulher.

Esse fato mobilizou a ONU a abraçar a data. Em apoio ao movimento que defende as mulheres, a Assembleia Geral das Nações Unidas passou a reivindicar de governos e organizações internacionais, atividades dirigidas a sensibilizar a opinião pública sobre o problema de violência contra a mulher.

Mulheres cristãs são duplamente vulneráveis

Mulheres são violentadas de diversas formas. Essa questão está presente tanto na vida doméstica quanto na esfera pública e se apresenta em diferentes vertentes — física, sexual, cultural, psicológica e econômica.

Existe uma vertente, porém, que coloca a mulher em dupla vulnerabilidade em determinados países — a religiosa. Mulheres que já são hostilizadas por culturas machistas, são ainda mais visadas quando são cristãs.

Conforme aponta a Portas Abertas, mulheres e meninas que vivem nos países elencados na Lista Mundial da Perseguição 2022 estão em desvantagem porque já enfrentam o preconceito por serem do gênero feminino.

Entretanto, quando passam a seguir a Jesus, elas são perseguidas duplamente, tanto por ser mulher como cristã. Elas enfrentam uma hostilidade oculta, pois são casadas à força, agredidas física e sexualmente e presas dentro de casa pelos próprios familiares.

Em algumas situações, as mulheres são atacadas física e sexualmente para atingir os homens cristãos. Um exemplo são os sequestros de filhas de pastores e líderes de igrejas que se tornam escravas sexuais e muitas vezes são obrigadas a se casarem com integrantes de grupos extremistas.

Além disso, essas vítimas passam a ser mal vistas pela comunidade onde vivem, já que aquilo que dava o valor social foi tirado delas. “A captura de mulheres em uma comunidade demonstra aos homens que eles não foram capazes de protegê-las”, garante um documento da Portas Abertas sobre perseguição de gênero.

Na Ásia Central, a jovem Alya (pseudônimo) foi ameaçada de ser expulsa de casa pela conversão ao cristianismo. Ela tem 19 anos e guardou a fé em segredo durante muito tempo por causa dos pais, que são muçulmanos. Desde que a mãe encontrou a Bíblia da jovem, passou a tratá-la como uma grande vergonha para a família.

A família usou constrangimento e pressão para tentar fazê-la voltar ao islã e prometeu expulsá-la de casa caso não renuncie a Jesus. Algumas jovens chegam a ficar presas em casa para não participarem dos cultos, como aconteceu a Anita. Outras, como Ruth, são de fato expulsas de casa e precisam começar uma nova vida.

A questão do tráfico humano

As cristãs refugiadas estão mais suscetíveis ao tráfico humano. Muitas delas aceitam ofertas de emprego em outros países e regiões para ficarem livres das condições sub-humanas dos campos de refugiados ou de deslocados.

Porém, descobrem tarde que estão imersas em trabalho escravo e sexual. Na China, onde a política do filho único foi difundida e muitas bebês foram abortadas, há o mercado de tráfico de noivas.

Muitas mulheres e meninas do estado de Kachin, de maioria cristã, são sequestradas e vendidas para os chineses. Elas vivem isoladas em áreas rurais e são vítimas de agressões físicas e sexuais. Dessa forma gerarão herdeiros, de preferência homens, para as famílias chinesas.

Já em países como Colômbia e México, as meninas cristãs são alvo de grupos criminosos. Elas são raptadas e forçadas a serem escravas sexuais e prostitutas.

“Os líderes criminosos prestam atenção especial às filhas de pais cristãos porque a obediência delas é certa. Então, é mais fácil obrigá-las a fazer parte da máfia e se aproveitarem sexualmente porque ameaçam prejudicar as famílias delas”, explica um especialista da Portas Abertas.

Esse diferencial de comportamento das cristãs latinas aumenta o valor pago por elas nas redes de tráfico.

Neste dia, mobilize-se como Igreja para orar por milhares de mulheres cristãs que estão presas, sendo discriminadas e violentadas por causa do nome de Cristo. Ore também pelas mulheres que são agredidas, espancadas e humilhadas, para que libertadas, consoladas por Deus e que tenham um encontro com Jesus.

Fonte: Portas Abertas e Guia-me com informações de Portas Abertas e BBC News



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais