Pastor e cristãos de minorias étnicas são presos em Yunnan, na China


Bandeira da China
Bandeira da China

Neste ano, o pastor Wang Shunping, que pertence à minoria étnica Nu e outros quatro cristãos, dos povos Nu e Lisu, na China, foram detidos e acusados ​​de “organizar e financiar atividades ilegais” em forma de encontros.

O pastor Wang é muito popular na região onde vive. Ele é formado pelo Seminário Teológico de Yunnan e, supostamente, uma das razões pelas quais ele foi detido foi por ser músico e ensinar gratuitamente a alunos cristãos e não cristãos.

No final de agosto, a Igreja Cristã Reformada de Dashanli, no condado de Fugong, enviou um pedido de oração pelos cinco cristãos.

Na última sexta-feira (16), o pastor Wang foi formalmente preso. Ele permanece detido no Centro de Detenção do Condado de Fugong, na província de Nujiang .

Embora a intenção do Partido Comunista Chinês seja “erradicar o cristianismo” no país, entre os povos Lisu e Nu isso parece ser uma tarefa impossível.

Conforme o Bitter Winter, o número de cristãos é extremamente alto entre as duas minorias étnicas. Por esse motivo, a estratégia do PCC é reprimir os pastores que são mais populares e forçar as igrejas domésticas a se juntarem à Igreja das Três Autonomias.

No condado de Fugong, onde fica Nujiang Lisu, os cristãos se reúnem em igrejas domésticas para não chamar a atenção do PCC. Eles se recusam a fazer parte da Igreja das Três Autonomias — um movimento patriótico que busca controlar a religião no país.

Toda igreja registrada por esse movimento controlador passa a ser vigiada por agentes do governo e deve seguir as regras de Xi Jinping, incluindo a fiscalização dos sermões. Não há pregação que não seja antes analisada pelas autoridades.

Isso quer dizer que não há liberdade de expressão e nem de religião, pois os pastores não podem pregar exatamente conforme a Bíblia. Eles devem exaltar o governo e defender os líderes chineses, como se estivessem de acordo com eles.

‘O PCC tem uma verdadeira obsessão com a religião’

Na província de Yunnan, especificamente na região de Nujiang Lisu, 52% da população pertence às minorias étnicas Lisu e Nu. Ambas falam línguas tibeto-birmanesas. Nujiang Lisu é controlada por uma Prefeitura Autônoma.

Por lá, o “ativismo” dos departamentos de Segurança Pública e de Assuntos Religiosos realizou uma série de ataques a igrejas domésticas, conforme explica o Bitter Winter.

O Partido Comunista Chinês (PCC) tem uma verdadeira obsessão com a religião e hostilizam com violência as minorias étnicas que afirmam seus direitos.

A maioria do povo Lisu confessa o cristianismo. Não há como saber o número exato de cristãos, mas a estimativa é de 300.000 a 700.000

Já o povo Nu representa um grupo étnico bem menor, onde prevalece uma fé tradicional, mas o Evangelho chegou para eles e muitos se converteram, porém, não numa proporção tão grande quanto a do povo Lisu.

Ainda conforme o Bitter Winter, um fenômeno interessante ocorreu entre os povos Lisu e Nu, que eram tradicionalmente inimigos um do outro. Agora, em muitas igrejas cristãs, em Yunnan, pessoas de Nu e Lisu adoram a Deus juntas.

Fonte: Guia-me com informações de Bitter Winter



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais