Perseguição aos cristãos aumenta em pelo menos 18 países, alerta relatório


Perseguição aos cristãos (Imagem ACN)
Perseguição aos cristãos (Imagem ACN)

A perseguição aos cristãos está aumentando em pelo menos 18 países, especialmente na África, Oriente Médio e Ásia, devido ao crescente jihadismo e nacionalismo, segundo um relatório divulgado por um grupo católico que examinou violações de direitos humanos contra cristãos em 24 países onde é particularmente difícil ser cristão.

Uma análise da perseguição aos cristãos em 2020-2022, comparada com 2017-2019, mostra que a situação dos cristãos piorou, ou “está ligeiramente pior”, em pelo menos 18 países, disse o relatório divulgado pela fundação pontifícia “Ajuda à Igreja Que Sofre” (ACN).

Esses países incluem Síria, Turquia, Arábia Saudita, Mali, Sudão, Nigéria, Eritreia, Etiópia, Moçambique, Afeganistão, Paquistão, Mianmar, Rússia, Coréia do Norte, China, Vietnã, Índia e Qatar, de acordo com o relatório intitulado “Perseguidos e Esquecidos ? Um relatório sobre cristãos oprimidos por sua fé 2020-22.”

Em todo o mundo, mais de 360 ​​milhões de cristãos vivem em lugares onde sofrem altos níveis de perseguição apenas por seguir a Jesus – isso é um em cada sete crentes em todo o mundo, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição, da Portas Abertas dos EUA, que classifica os 50 principais países onde os cristãos sofrem a pior perseguição por sua fé.

A ACN disse que seu relatório foi apresentado nas Casas do Parlamento no Reino Unido esta semana com um discurso do bispo nigeriano Jude Arogundade, cuja diocese de Ondo foi alvo de homens armados que mataram mais de 40 pessoas em um culto de domingo lotado no domingo de Pentecostes.

O Bispo Arogundade disse, “ninguém parece prestar atenção ao genocídio” que ocorre em áreas do Cinturão Médio da Nigéria. “O mundo está em silêncio enquanto os ataques às igrejas, seu pessoal e instituições se tornam rotina. Quantos cadáveres são necessários para chamar a atenção do mundo?”.

Os países africanos viram um aumento acentuado na violência terrorista de militantes não estatais, com mais de 7.600 cristãos nigerianos supostamente assassinados entre janeiro de 2021 e junho deste ano, disse o grupo católico no relatório, acrescentando que em maio foi divulgado um vídeo mostrando 20 cristãos nigerianos sendo executados pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram e pela Província da África Ocidental do Estado Islâmico.

Na Ásia, o “autoritarismo estatal” está por trás do agravamento da opressão, especialmente na Coreia do Norte, onde as crenças e práticas religiosas são rotineira e sistematicamente reprimidas, afirmou.

O relatório também observou que o nacionalismo religioso desencadeou uma crescente violência contra os cristãos na região, com grupos nacionalistas hindus e budistas cingaleses ativos na Índia e no Sri Lanka, respectivamente.

O relatório observou que a Índia testemunhou 710 incidentes de violência anticristã entre janeiro de 2021 e o início de junho, “impulsionados em parte pelo extremismo político”. Ele citou um exemplo de uma manifestação em massa no estado de Chhattisgarh em outubro passado, onde membros do partido governante Bharatiya Janata aplaudiram o líder religioso hindu de direita Swami Parmatman e pediram que os cristãos fossem mortos.

No Oriente Médio, disse o relatório, uma crise migratória ameaçou a sobrevivência de algumas das comunidades cristãs mais antigas do mundo.

Na Síria, a população cristã caiu de 10% para menos de 2%, caindo de 1,5 milhão pouco antes do início da guerra para cerca de 300.000 hoje, disse a ACN, acrescentando que, embora a taxa de êxodo seja mais lenta no Iraque, uma comunidade que contava com cerca de 300.000 antes da invasão de 2014 pelo ISIS caíram pela metade para 150.000 na primavera deste ano.

No evento do G20 deste mês, centrado no papel das religiões em ajudar a resolver problemas globais, o Reverendíssimo Bashar Warda, arcebispo católico caldeu de Erbil, alertou que o cristianismo no Iraque está “à beira da extinção”.

Durante seu discurso no Fórum Religioso do G20 em Bali, Indonésia, o arcebispo destacou que a “violência sectária” era um problema significativo no Iraque. Este país sofreu a ascensão de um reduto do Estado Islâmico durante a última década, na qual milhares de minorias religiosas iraquianas foram mortas, escravizadas ou forçadas a fugir de suas terras natais.

“Sem o fim dessa violência sectária, não há futuro para o pluralismo religioso no Iraque ou em qualquer outro lugar do Oriente Médio”, disse ele. “A lógica brutal disso é que eventualmente chega a um ponto final em que não há minorias para matar e nem minorias para perseguir.”

Warda acrescentou: “Ao compartilhar com vocês esta experiência, oro para que encontrem em nossa história um aviso claro para todos vocês”. Ele observou que, após cerca de 1.900 anos de existência na região, “nós, cristãos do Iraque, agora nos encontramos à beira da extinção”.

Há “uma crise fundamental de violência dentro do Islã” que “não pode mais ser ignorada”, disse ele, acrescentando que “continua afetando todo o Oriente Médio, África, Ásia e além”.

O relatório inclui informações da ACN e de outras fontes locais, fornece testemunhos em primeira mão, compilações de incidentes, estudos de caso e análises de países sobre até que ponto os cristãos são perseguidos em todo o mundo.

A lista de observação mundial de 2022 da Portas Abertas EUA, que analisou os incidentes relatados entre 1º de outubro de 2020 e 30 de setembro de 2021, constatou que pelo menos 5.898 cristãos foram mortos, 5.110 igrejas foram atacadas ou fechadas, 6.175 cristãos foram presos sem julgamento e 3.829 cristãos foram sequestrados. 2021 viu um aumento de 24% nos cristãos mortos por sua fé.

Folha Gospel com informações de The Christian Psot



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais