Polícia invade igreja e tranca as portas para impedir que os membros saiam, na China


Igreja em Hong Kong, capital da China
Igreja em Hong Kong, capital da China

A polícia na China invadiu a Igreja Early Rain Covenant Church (ERCC) durante um culto, trancou cerca de 60 membros da igreja dentro do prédio e prendeu um, de acordo com um relatório.

Mais de 20 policiais uniformizados e à paisana do distrito de Wuhou invadiram o ERCC, com sede em Chengdu, enquanto seus membros realizavam culto no domingo em uma loja de chá, informou o órgão de vigilância de perseguição International Christian Concern (ICC), com sede nos EUA.

Os membros da igreja foram trancados dentro do prédio e liberados somente após fornecerem sua identificação. Um membro, identificado como Xing Hongwei, recusou-se a cumprir as exigências das autoridades.

Em resposta, a polícia chinesa prendeu Xing e o acusou de agredir a polícia, segundo o ICC.

Xing, que está se recuperando de meningite há cerca de um ano e quase perdeu a vida, foi preso junto com sua esposa, Zhao Qing, e permaneceu sob custódia policial por quatro dais.

A polícia disse que a ERCC foi ordenada a se dissolver e que a reunião era ilegal.

A Portas Abertas dos EUA, que monitora a perseguição de cristãos em mais de 60 países, estima que a China tenha mais de 97 milhões de cristãos, muitos dos quais adoram em igrejas clandestinas não registradas ou “ilegais”.

Os cinco grupos religiosos sancionados pelo Estado na China são a Associação Budista da China, a Associação Taoísta Chinesa, a Associação Islâmica da China, o Movimento Patriótico das Três Autonomias Protestante e a Associação Católica Patriótica Chinesa.

“A repressão contínua da China contra a ERCC é o principal exemplo de como Pequim continua a desconsiderar a liberdade religiosa para seu povo, mesmo que a Constituição garanta esse direito”, disse Gina Goh, gerente regional da ICC para o Sudeste Asiático.

“Desde o encarceramento do pastor da ERCC Wang Yi e do ancião Qing Derfu em 2018, o governo não cessou seu assédio e perseguição à igreja doméstica. O objetivo do governo é ver todas as igrejas domésticas extintas para que possam controlar totalmente o cristianismo na China”.

Mesmo as organizações afiliadas às cinco religiões autorizadas podem estar sujeitas a vigilância e limitações, observou o grupo de direitos humanos Bitter Winter.

A ICC documentou mais de 100 incidentes de perseguição cristã na China entre julho de 2020 e junho de 2021, enquanto o regime comunista do país procura converter à força grupos religiosos independentes em mecanismos do Partido Comunista Chinês.

Em 2018, o governo chinês proibiu a venda de Bíblias em livrarias online em todo o país para cumprir um “papel branco” que ditava o cumprimento dos “valores fundamentais do socialismo”.

A ABC News Australia informou na época que as cópias dos Evangelhos haviam sido removidas dos varejistas on-line após o lançamento de um documento do regime intitulado “ Políticas e práticas da China na proteção da liberdade de crença religiosa ”.

O livro branco declarou que as comunidades religiosas chinesas “devem aderir à direção de localizar a religião, praticar os valores centrais do socialismo, desenvolver e expandir a boa tradição chinesa e explorar ativamente o pensamento religioso que está de acordo com as circunstâncias nacionais da China”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais