Relatório revela que se converter do islã ao cristianismo na Europa é perigoso


Cristãos enfrentam perseguição religiosa em diversos países
Cristãos enfrentam perseguição religiosa em diversos países

Um novo relatório do Centro Europeu para a Lei e a Justiça (ECLJ, na sigla em inglês) revela o perigo que correm os muçulmanos que se convertem ao cristianismo na Europa.

O relatório, apresentado no início de julho e intitulado “A perseguição de cristãos ex-muçulmanos na França e na Europa”, diz que “hoje na França é pelo menos difícil e geralmente mais perigoso para um muçulmano deixar sua religião”.

“A grande maioria das pessoas que deixam o islamismo para se juntar ao cristianismo sofrem perseguição familiar e comunitária que varia muito em intensidade, do desprezo à violência”, diz o documento. “Antes de tudo, a perseguição é dentro da família (pais, cônjuge, irmãos, primos, etc.); depois, é comunitária. Acontece na vida real, mas também nas redes sociais onde os islâmicos estão muito presentes e ativos”.

“Alguns islâmicos fazem campanhas de intimidação e inteligência para buscar e reprimir os convertidos”, diz o relatório. “Portanto, pode acontecer que um convertido seja descoberto e ameaçado, agredido ou até morto por um islamista que ele nem conhecia”.

Embora não exista a Sharia, lei islâmica, na França, continua o relatório, “certas disposições da sharia podem ser aplicadas na prática se uma comunidade muçulmana local for suficientemente grande e radicalizada”.

“Além disso, se os pais do convertido são cidadãos de um país do norte da África ou do Oriente Médio onde a lei Sharia se aplica, o convertido pode ser privado de sua parte da herança.”

“No Marrocos, por exemplo, quando se abre a sucessão, basta que um familiar denuncie que o filho herdeiro não é mais muçulmano para que ele perca sua parte da herança”, diz o documento.

Os atos de violência vão desde “desprezo e agressão verbal” ao convertido “quando anuncia a conversão” e expulsão da família, a casos de casamento forçado de menores, linchamentos públicos e até assassinatos.

“Há uma gradação na reação. A maioria dos muçulmanos geralmente reage com uma punição de ‘morte social’”, segundo o relatório.

“Mais raramente, islamistas como os salafistas ou a Irmandade Muçulmana vão querer ‘limpar’ o escândalo causado pelo convertido aplicando uma perseguição mais radical”.

O documento diz que esse nível de violência está relacionado ao fato de que “a conversão, que implica apostasia (ridda), é condenada no Alcorão e violentamente condenada no hadith”, palavras e atos do profeta Maomé.

Isso “justifica para muitos muçulmanos uma perseguição física e moral aos convertidos”.

Segundo o relatório, a situação é semelhante em outros países europeus, como Alemanha, Inglaterra, Bélgica, Holanda e Áustria.

O documento alerta que esta situação de perseguição pode afetar atualmente até 30 mil pessoas só na França, observando que “cerca de 300 pessoas de origem muçulmana recebem o batismo na Igreja Católica a cada ano”.

Para ver o relatório completo, você pode clicar AQUI.

Folha Gospel com informações de ACI Digital



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais