TSE ordena que Eduardo Bolsonaro exclua vídeos que ligam Lula a invasão de igrejas


Deputado Federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro
Deputado Federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

Nesta segunda-feira (5), a ministra Cármen Lúcia, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que sejam excluídos das redes sociais vídeos divulgados pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP) que associam o ex-presidente e candidato Lula (PT) a invasões de igrejas e perseguição a cristãos.

A decisão, assinada pela ministra Cármen Lúcia, ainda estipula uma multa diária de R$ 50 mil caso o deputado faça novas postagens com conteúdo falso.

“Não são críticas políticas ou legítima manifestação de pensamento. O que se tem é mensagem ofensiva à honra e imagem de pré-candidato à presidência da República, com divulgação de informação sabidamente inverídica”, escreveu a ministra na decisão.

A ação foi movida pela Coligação Brasil da Esperança, que tem o ex-presidente Lula como candidato, contra Eduardo Bolsonaro. Segundo a coligação, houve prática de propaganda eleitoral irregular negativa e veiculação de desinformação na internet.

“Lula nunca fechou nem vai fechar igrejas. O ex-presidente sempre respeitou todas as religiões e acredita que a liberdade religiosa é fundamental para a democracia, assim como sabe que a liberdade de crença e culto é um direito assegurado a todos os brasileiros”, afirma a defesa de Lula.

A ministra afirma ainda que a mensagem mancha a honra e imagem do candidato e culpando Lula falsamente de apoio a invasão de igrejas e perseguição de cristãos.

Folha Gospel com informações de Metrópoles



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais