Vereador que invadiu igreja se encontrará com o Papa Francisco


Vereador Renato Freitas com ativistas fazendo protestos dentro da Igreja Católica (Foto: Renato Freitas-Instagram)
Vereador Renato Freitas com ativistas fazendo protestos dentro da Igreja Católica (Foto: Renato Freitas-Instagram)

O vereador petista Renato Freitas, que liderou uma invasão a uma igreja católica em Curitiba, vai se encontrar com o Papa Francisco, em setembro.

Freitas pode ter o mandato cassado em julgamento na Câmara Municipal de Curitiba nesta sexta-feira (5), acusado de perturbação da prática de culto religioso e por realizar ato político no interior da igreja.

Com o convite para encontrar o líder católico em um evento, o caso do vereador pode ganhar repercussão mundial.

O evento sobre a obra “Economia de Francisco” vai reunir economistas e líderes para discutir uma nova visão econômica.

Para Renato Freitas, o encontro com o Papa pode influenciar na decisão dos vereadores da Câmara.

“Por uma coincidência da vida, o convite veio justamente no momento em que estou sendo cassado por entrar na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e clamar pelas vidas negras desvalorizadas”, alegou o político.

E concluiu: “Todos terão a oportunidade de ouvir a voz maior da Igreja”.

Em junho, o parlamentar teve o mandato cassado pela Câmara de Curitiba por “procedimento incompatível com o decoro parlamentar”.

Porém, em julho, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) suspendeu a cassação do vereador, devido ao não cumprimento dos prazos legais no agendamento das sessões que aprovaram a cassação de Freitas.

Entenda o caso

No dia 5 de fevereiro, um grupo de manifestantes liderado por Renato Freitas invadiu e interrompeu a missa na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, durante protesto pelo congolês Moïse Kabagambe, assassinado no Rio de Janeiro.

De acordo com o Padre Luiz Hass, de 74 anos, uma missa estava acontecendo quando os manifestantes invadiram a igreja. O sacerdote relatou que o grupo permaneceu por cerca de 20 minutos no templo, aos gritos.

“Uma situação insuportável, barulho muito grande, pedimos que baixassem o som lá fora, saíssem da escadaria. Mas começaram a dizer que era igreja dos negros. Suspendi a missa, porque não tinha como, não era horário para fazer o protesto”, afirmou.

Após a invasão, que ganhou repercussão nacional, Freitas se tornou alvo de pedidos de cassação do mandato na Câmara de Curitiba.

A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE) encaminhou o caso da invasão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIHM), que faz parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).

O documento pede que a Comissão investigue o incidente, com o objetivo de confirmar a violação da liberdade religiosa, e que solicite ao governo brasileiro a adoção de medidas para a preservação da liberdade religiosa no país.

“O ato conduzido pelo vereador e advogado Renato Freitas (PT) é apenas o mais recente exemplo de invasão a uma Igreja Cristã, provocada por forte carga ideológica. O crescimento desses casos de vilipêndio tem feito os fiéis temerem que grupos se sintam legitimados ou autorizados para cometer crimes contra o sentimento religioso, pela falta de uma devida responsabilização”, afirmou o Diretor Executivo da ANAJURE, Dr. Gabriel Dayan.

Fonte; Guia-me com informações de Metrópoles



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais