Visão Mundial quer levantar US$ 2 bilhões para combater a fome no mundo


Edgar Sandoval, presidente e CEO da World Vision USA visita a vila de Nakorio, Turkana, onde a World Vision está fazendo distribuições de alimentos. (Foto: Visão Mundial/Jon Warren)
Edgar Sandoval, presidente e CEO da World Vision USA visita a vila de Nakorio, Turkana, onde a World Vision está fazendo distribuições de alimentos. (Foto: Visão Mundial/Jon Warren)

A fome é uma condição que afeta milhões de pessoas ao redor do mundo. Para socorrer esses necessitados e atenuar o sofrimento das vítimas dessa tragédia, a World Vision (Visão Mundial) busca US$ 2 bilhões para combater a insegurança alimentar.

Quando o Comitê Nobel norueguês concedeu o Prêmio Nobel da Paz ao Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas em 2020, quando os bloqueios em resposta à pandemia de Covid-19 começaram a perturbar as economias em todo o mundo, soou o alarme de uma iminente crise global de fome.

Segundo Edgar Sandoval Sr., presidente e CEO da World Vision USA, que esteve recentemente no Quênia, a pandemia, agravada pela guerra na Ucrânia, choques climáticos e inflação, transformou a iminente crise de fome em um perigo real para quase 4 milhões de pessoas naquela nação e milhões de outras em todo o mundo.

“Vou lhe dizer o que o chefe da aldeia que visitei [no Quênia me disse]”, disse ele ao The Christian Post na quarta-feira. “Ele disse: ‘A maioria das pessoas não está trabalhando. A chuva desapareceu… a seca e os preços altos têm sido muito difíceis para o casamento.’ Ele disse: ‘Eu posso ouvi-los (casais) brigando porque não há comida. Quando a comida se torna um desafio, a violência (vem).’ Isso é o que ele estava dizendo sobre a casa.”

Para a World Vision, uma organização cristã evangélica de ajuda humanitária, desenvolvimento e advocacia que também é o maior parceiro do Programa Alimentar Mundial da ONU na distribuição de alimentos, as famílias são uma prioridade.

Outros fatores contribuintes para a insegurança alimentar são os preços em disparada e alta taxa de desemprego.

“Se você ainda consegue ganhar US$ 1 por dia, se consegue ganhar US$ 1 por dia, agora está pagando… US$ 34 (ou mais de US$ 4.000 xelins quenianos) por um saco de milho. O triplo do preço que costumava ser”, explica Sandoval.

A crise de fome traz preocupação até mesmo para as famílias quenianas que possuem algo de valor, disse o CEO da World Vision. “Quando a comida é escassa, há ataques ao gado das pessoas”, explicou.

Nestes tempos desafiadores, os homens, em muitos casos, precisam deixar suas famílias para encontrar comida na cidade mais próxima, que pode estar a horas de carro.

“Então eles ficam lá por um mês e talvez três meses. Eles podem não voltar. As crianças ficam com pais solteiros. E assim, mais crianças desistem e continuam até que haja esse ciclo vicioso. Esse é o desafio”, disse Sandoval.

Desnutrição grave

Muitas crianças também estão “agudamente desnutridas”, disse.

“Os momentos de luto começaram no dispensário de uma das aldeias que visitei. Eu estava lá quando as mães estavam trazendo seus bebês. Eu vi muitos bebês que estavam gravemente desnutridos”, disse ele.

“Conversei com a nutricionista Martha, que faz isso há seis anos. E ela me disse que nunca viu isso tão ruim. Ela nunca viu o nível de desnutrição tão ruim em crianças”, acrescentou.

Cerca de 40% das crianças naquela localidade que Sandoval visitou estavam gravemente desnutridas.

“Há diferentes níveis de desnutrição. A desnutrição moderada também não é uma coisa boa, mas é melhor do que a desnutrição aguda. E assim os níveis estão aumentando e ficando mais altos, mais altos do que ela já viu”, explicou Sandoval. “As mães também, mães lactantes, também estão desnutridas.”

Apoio das igrejas

Por meio de seus profundos relacionamentos com igrejas e sua grande rede de distribuição de alimentos, Sandoval e sua equipe da World Vision têm trabalhado arduamente para alavancar sua experiência em ajudar famílias com insegurança alimentar por meio de programas baseados na Bíblia.

Um programa, diz ele, procura ajudar maridos e esposas em dificuldades a reavivar seu compromisso um com o outro, encontrando o plano de Deus para seu relacionamento.

“O resultado é tão animador. Falei com três casais, e o que eles me disseram foi: ‘Nós saímos do que o chefe descreveu – discutindo e brigando – e agora temos amor e união’”, explicou Sandoval. “Essa é uma parte importante da nossa intervenção.”

Para atender às crescentes necessidades da crescente insegurança alimentar em pelo menos 25 países, a Sandoval está buscando arrecadar US$ 2 bilhões para o esforço.

“Estamos colocando toda a força de nossa experiência de mais de 70 anos e todos os nossos recursos nesta resposta. Este é o trabalho número um. Estamos fazendo distribuição de alimentos; estamos fazendo transferências em dinheiro. Estamos possibilitando tratamentos para crianças desnutridas”, explicou o CEO da World Vision.

Ele acrescentou que “90 por cento de todas as crianças gravemente desnutridas que tratamos, recuperam-se totalmente … é uma das razões pelas quais somos o maior distribuidor do mundo”.

“Sabemos o que funciona; dizemos isso humildemente. E temos a infraestrutura e a equipe no local para causar um grande impacto”, disse ele, incentivando pessoas de fé e outros doadores a doarem à causa por meio do site da World Vision.

Estados Unidos

Na terça-feira, um grupo bipartidário de senadores instou o governo Biden a acelerar a entrega, já que a guerra na Ucrânia empurra mais países para mais perto da fome. Eles argumentaram que a ajuda alimentar dos EUA estava levando meses para chegar às nações carentes, apesar de uma crise alimentar global urgente, informou o Washington Post.

“A menos que os Estados Unidos traduzam a retórica bem-intencionada e os dólares apropriados em uma resposta humanitária rápida, os crimes da Rússia contra a humanidade e o armamento do suprimento global de alimentos ficarão impunes”, escreveram os senadores em uma carta à administradora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, Samantha Power.

“A proposta de ajuda humanitária mais significativa da história moderna dos EUA deve ser acompanhada por uma infraestrutura que assuma riscos mais prudentes e forneça apoio rapidamente.”

Fome sem precedentes

O Programa Mundial de Alimentos havia anunciado 2022 como “ Um ano de fome sem precedentes ”.

A agência internacional de ajuda alimentar diz que até 828 milhões de pessoas vão para a cama com fome todas as noites e, desde 2019, o número de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda aumentou de 135 milhões para 345 milhões. Cerca de 50 milhões de pessoas em 45 países, diz a agência, “estão à beira da fome”.

“Estou pedindo a todos, estou implorando para que façam algo para nos ajudar a responder a essas pressões, especialmente para as crianças”, disse Sandoval.

Apontando que custa apenas US$ 4 por dia para alimentar uma família de seis pessoas no Quênia, ele disse: “Toda contribuição ajuda, não importa o tamanho”.

Folha Gospel com informações de Guia-me e The Christian Post

SIGA O FOLHAGOSPEL NO INSTAGRAM: @FOLHAGOSPEL



Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais